sábado, 22 de março de 2014

A suposta "exploração" da nova CEO da General Motors é pura invencionice feminista

Recentemente, li um artigo de Cesar Vanucci, colunista esquerdista, no Diário do Comércio, em que ele escreve indignado sobre a decisão "machista" da General Motors de pagar à nova executiva-chefe da companhia, Mary Barra, menos da metade do salário do CEO anterior, Dan Akerson:
[Dan] embolsava salário de 9 milhões e 100 mil dólares anuais. Deixou a função para continuar prestando consultoria à própria montadora por "módicos" 4 milhões e 600 mil dólares por ano. [...]. Quem passou a ocupar, com sua saída, a presidência da empresa, foi a engenheira Mary Barra, primeira mulher no comando da organização, contratada com o salário de 4 milhões e 400 mil reais, inferior à remuneração atual de seu antecessor pelas tarefas de consultoria.
Diante de uma divergência tão evidente e absurda do preconceito contra as mulheres no mercado de trabalho, ainda mais vindo do topo de uma empresa tão conhecida mundialmente, César Vanucci se sentiu livre para extravasar sua indignação feminista, tamanha a ponto de inferir que o dobro de um número "x" qualquer é infinito...
O salário que a GM pagava ao antigo presidente é infinitamente superior ao que ora é pago pelas mesmíssimas tarefas à presidenta, um e outro, já visto, elevadíssimos.
Mas o babaca se esqueceu de um detalhe: a conta dos salários dos dois, feito pelos feministas, omitiu compensações a serem distribuídas em ações que podem dar à Mary Barra mais dinheiro do que Dan Akerson recebeu em seu último ano.

A trama está melhor explicada num artigo da CNN Money, ironicamente uma agência de notícias feminista, traduzida abaixo: (Fonte original aqui)



O pagamento da primeira mulher CEO da General Motors, Mary Barra, tornou-se fonte de controvérsia para a montadora, já que alguns críticos afirmam que ela está recebendo apenas uma fração do salário de seu antecessor homem.

Mas os críticos estão comparando apenas parte do pacote de remuneração de Barra com todo o pacote pago ao ex-CEO Dan Akerson. A GM diz que, quando divulgar a compensação de longo prazo de Barra no final deste ano, ficará claro que haverá pouca diferença entre os pacotes totais pagos aos dois.


mary barra payscale
Inclusive, especula-se que ela pode ganhar muito mais no final!
Salário-base: Barra tem uma base salarial de US$ 1,6 milhão, enquanto a base de Akerson foi de US $ 1,7 milhão em 2013, quando ele era CEO. Essa diferença de US$ 100 mil é explicada pelo fato de Akerson ter servido como presidente e como CEO , de acordo com o porta-voz Greg Martin, enquanto essas funções serão divididas durante o mandato de Barra.

Compensação de curto prazo: Barra, de 52 anos de idade , vai receber até US$ 2,8 milhões em bonificações de curto prazo. Akerson recebeu US$ 7.35 milhões em compensações de curto prazo no último ano em que foi CEO, tudo em forma de ações. Esse pagamento de curto prazo foi particularmente grande para compensar o fato de Akerson não ter recebido nenhuma remuneração de longo prazo em seu último ano no comando, já que ele estava perto da aposentadoria.

Compensação de longo prazo: Akerson pode ter zerado em compensações de longo prazo, mas Barra vai receber um bônus de de longo prazo em ações como CEO. Os detalhes sobre essa parte do pacote de remuneração ainda não foram divulgado. Eles vão ser incluídos na procuração que a GM vai assinar em abril.

Os totais: O total geral de Akerson foi de US $ 9,1 milhões em seu último ano como CEO. Mas ninguém sabe o que o valor total da compensação da Barra será este ano.

Uma coisa nós sabemos: Barra está em uma posição melhor do que Akerson para conseguir um grande bônus de longo prazo. Os pagamentos para Akerson e outros executivos de topo da GM foram sujeitas a limitações federais depois que o Departamento do Tesouro dos EUA socorreu a montadora em 2009. A boa notícia para Barra é que os EUA venderam sua parte da GM (GM , Fortune 500) em ações, em dezembro, o que deixa o seu comitê de remuneração livre de quaisquer restrições.

A polêmica começou nesta semana em uma coluna escrita por Elizabeth McDonald na Fox Business.com. Ela atacou a GM por pagar à Barra apenas 48% do que foi pago a Akerson. McDonald observou que o presidente Obama elogiou a promoção de Barra para CEO em seu discurso do Estado da União, um discurso que ele também usou para chamar o fato de que, em média, as mulheres recebem 77 centavos para cada dólar ganho pelos homens, como "uma vergonha".

E, como sempre, no Brasil, só a parte feminista e esquerdista da história - a versão de Elizabeth McDonald - foi mostrada, como se aquela metade fosse uma verdade universal e um consenso. Aqui nós mostramos o outro lado, que dissipa todo o suposto absurdo jogado contra nós. Chupa, Vanucci!





2 comentários:

Para poder comentar neste blog, você precisa estar registrado em qualquer um dos canais disponíveis pelo Blogger, através do menu "comentar como", abaixo da caixa de texto.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

LinkWithin2

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...